Congonhas - Minas Gerais - Brasil - Patrimônio Cultural da Humanidade - Unesco  
  • "O Anjo, obra-prima de Aleijadinho, no passo do Horto."
  • "Praça da Subida ao Calvário."
  • "Basílica de Bom Jesus de Matosinhos, Patrimônio Cultural da Humanidade."
  • "Profeta Habacuc."
  • "Igreja de São José, construída em 1817."
  • "Passo da Prisão, que retrata uma das passagens mais conhecidas da Bíblia."
  • "Em verdade vos digo, um de vós há de me entregar"
  • "Capela de N.Sra. da Soledade, no distrito de Lobo Leite."
  • "Profeta Naum, o sétimo dos profetas menores"
Site Oficial
de Turismo
Apresentação     Santuário Bom Jesus de Matosinhos        
       
Procurar    Contato

Promoção:





Atrações em Congonhas:

Profeta Abdias
Imperdível
Autor do mais curto livro profético do Antigo Testamento. Sua profecia constitui-se de um único capítulo. Forma com o profeta Hab...
Ler Matéria

Alguns de nossos Parceiros:
Hotel Colonial Congonhas
Hospedagem
Mais informações
Restaurante Estância Real
Restaurantes, bares e afins
Mais informações
 


Você está em - Santuário Bom Jesus de Matosinhos



Voltar

Um santuário de arte e fé


Texto e fotografia: Marcelo JB Resende Reprodução proibida

Congonhas conserva verdadeiras jóias arquitetônicas e preciosidades artísticas. A mais importante delas com certeza é a Basílica de Bom Jesus do Matosinhos e seu entorno.

São 78 esculturas em tamanho natural, dentre elas 12 profetas dispostos no adro da igreja e confeccionados em pedra-sabão. As outras, em cedro, formam e representam os Passos da Paixão de Cristo. O conjunto de imagens é tão monumental que foi considerado pelo francês Germain Bazin, grande estudioso do barroco mineiro, um dos mais belos da Terra. Ele foi ainda mais longe: acreditava ser "a última aparição de Deus evocada pela mão do homem." E tudo isso no coração de Minas Gerais, distante milhares de quilômetros dos grandes centros europeus formadores da sociedade ocidental.

 
Clique para ampliar - cópia proibidaBasílica de Bom Jesus de Matosinhos e seus profetas de pedra-sabão.

Clique para ampliar - cópia proibidaPasso da Ceia.

Tudo começou na segunda metade do séc. XVIII pela iniciativa de um homem encardido pelo pó de minério e impregnado de fé. O português Feliciano Mendes, após se recuperar de uma doença contraída nos muitos anos de labuta nas minas de ouro, decidiu construir um templo em homenagem ao Bom Jesus do Matosinhos, a quem fizera uma promessa. Passou o resto de sua vida coletando esmolas e em 1757 começou a obra, morrendo em 1765 sem vê-la concluída.

 

Muitos artistas foram contratados e juntaram seus talentos para dar o acabamento À Basílica. Nomes como Manoel da Costa Ataíde, Francisco Xavier Carneiro, João Nepomuceno Ferreira e Antônio Francisco Lisboa (o Aleijadinho) tocaram com sua arte o sonho de Feliciano. A igreja recebeu acabamento, pinturas e entre 1777 e 1790 foi construído o adro e suas escadarias. Este adro, a partir de 1796, seria o palco perfeito para o imaginário de Aleijadinho. Os profetas em pedra e os Passos se adequaram harmoniosamente ao espaço e concepção arquitetônica do Santuário.


Clique para ampliar - cópia proibidaPasso do Horto.

Clique para ampliar - cópia proibidaAdro da basílica.
 

Entre 1796 e 1805 Aleijadinho deixou o que muitos consideram sua obra-prima. Não estava sozinho. Contava com a ajuda de seus discípulos. Um estudo preciso das 66 estátuas dos Passos demonstram variações que comprovam a intercessão de terceiros. Outro dado importante é que Aleijadinho, nesta época, já estava gravemente mutilado por uma misteriosa doença, que pesquisadores acreditaram ser lepra. Trabalhava com as ferramentas amarradas aos braços. Estudos recentes nas ossadas do artista demonstraram que ele sofria de porfiria. Esta enfermidade é caracterizada por sensibilidade À luz, que desencadeia uma dermatite grave e deformante. A mutilação torna-se extensa, causando a perda dos dedos, partes do nariz, orelhas e cicatrizes nas bochechas e boca, quando expostos À luz.


O curioso é que a pintura das estátuas dos Passos só foi iniciada em 1808, com execução do mestre Ataíde e provavelmente também do mestre Francisco Xavier. Indícios permitem afirmar que a pintura dos diversos grupos de imagens era realizada conforme se construíam as capelas que as abrigariam. Uma dúvida surge então: como as três últimas capelas só foram concluídas em 1875, quem teria pintado as estátuas que se encontram nelas?

 

No livro "Confidências de um Inconfidente", a autora Marilusa Moreira Vasconcelos afirma que Aleijadinho se inspirou nos inconfidentes mineiros (ver "Liberdade ainda que tardia", em "Falando sobre Minas") para compor a fisionomia dos 12 profetas em pedra-sabão. Os semblantes tristes das estátuas e os vários símbolos que elas ocultam, em seus gestos e posicionamento, revelam a angústia e a resposta do artista diante do desfecho trágico da Inconfidência. Verdade ou não este é mais um ingrediente para o fascínio que o conjunto desperta nos milhares de turistas que todos os anos visitam a Basílica.



Clique para ampliar - cópia proibida Romaria.

Clique para ampliar - cópia proibida Profeta Isaías.
 
Clique para ampliar - cópia proibida Profeta Daniel.
 
























© 2015 - Idas Brasil Ltda. - Todos os Direitos Reservados